sábado, 7 de novembro de 2015

Irmãs - Carla Pepe

IRMÃS
By Carla Pepe

Todo dia quando eu passava havia uma criança na janela, ela era bonita, singela, calada, séria. Pedia silenciosamente que Deus lhe enviasse uma amiga. Queria mais que uma amiga, queria uma parceira, uma irmã. E um dia Deus lhe enviou seu presente. E já não era  mais uma criança na janela, mas duas. Duas lindas meninas. Uma era como o sol, a outra como a lua. Uma era alegre, a outra mais séria. Uma tinhas os olhos brilhantes, a outra um sorriso que iluminava.  A mãe se orgulhava de ter duas lindas meninas e contava como eram boas as suas mocinhas. E eram amigas.
De vez em quando elas brigavam, e a janela naquele dia não abria. Mas logo elas faziam as pazes e as janelas de novo se abriam. E continuavam amigas. As crianças cresceram e tornaram-se lindas moças. E elas continuavam na janela. Conversando, brincando... E eram amigas.
As janelas se fechavam quando as moças saíam. As janelas se abriam quando elas voltavam. Iam à Igreja, tinham amigos, todos gostavam delas. Uma delas, um dia, arrumou um namorado. Mas elas continuavam amigas. A outra mais nova depois arrumou um amor, e se decepcionou. Chorou. Mas a mais velha lá estava e a consolou. E as janelas tornaram a se abrir com as duas lindas moças a conversar.
Um belo dia a janela ficou fechada muito tempo e eu quis saber o que tinha acontecido às meninas tão queridas. As moças choravam a morte da mãe tão amada. Choraram, choraram. E as janelas continuavam fechadas A mãe lá do alto rezava por elas, para que superassem essa dor. E Deus respondeu.. Mas um dia, a dor ficou lá num canto da janela onde só ficam as dores que não se quer lembrar. E as janelas tornaram a se abrir. E continuavam mais amigas do que antes.
A moça mais velha se casou. O casamento foi lindo. A mais nova tudo organizou. E tudo lindo ficou. Pensaram que elas iriam se separar, mas mais unidas ficaram. As janelas agora se abriam uma de frente para outra. E continuavam a abrir. E elas continuavam amigas.

As duas lindas moças continuavam amigas sempre porque os laços que as prendiam era mais forte do qualquer coisa, eram laço maiores do que os de sangue, eram laços do coração.  E sei que as janelas, por maior que fosse a dor continuariam abertas, porque aquelas duas moças eram mais que amigas. ERAM IRMÃS.
Postar um comentário