quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Aninha - Carla Pepe


Aninha
By Carla Pepe

Ela usava chats e sites de namoro para se relacionar. Num dos chats de conversas, conheceu ele e bateu uma conexão instantânea, eles falavam de musica até futebol. Nunca se viram, mas rolava uma identificação e até um certo flerte. Sempre ficava algo implícito nas conversas entre eles mas até hoje nada ficou claro. Ela morria de vergonha de seu corpo. Era corpulenta, baixinha, morena, de seios fartos, coxas grossas, boca carnuda. Faltava-lhe a ousadia de propor um encontro com ele. Pelas conversas, ele parecia ser bem bonitão, e como seria sua reação ao vê-la. Gostava da fantasia das conversas, da amizade sem cobranças, sem pressão, que o chat permitia.

Ele já vinha insistindo em um encontro entre eles, afinal queria saber quem era a moça com quem se reconhecia. Sentia que rolava entre eles uma tensão sexual forte. Ele também vinha querendo conhecê-la saber o que aconteceria entre eles. Numa noite em que ele tinha bebido um pouco demais, acabara falando no chat a fatídica frase: "quero muito te conhecer e beijar tua boca." Ficara com medo de que ela desaparecesse, por causa do silêncio posterior. Mas de forma surpreendente ela continuara a conversa no dia seguinte. E o que antes era implícito, ficara explícito. Foi impossível fugir do assunto e acabaram marcando um encontro, afinal descobriram que moravam na mesma cidade.

No dia do encontro, Aninha estava muito nervosa, mas determinada a ter toda coragem para ir ao encontro. Colocou um vestido vermelho, um generoso decote, uma lingerie sensual. O lugar marcado era a meia luz  e favorecia a necessidade de beijos que ele tinha. Ele a viu chegar no lugar, precisa confessar que ela não era seu perfil de mulher, mas algo no sorriso e no olhar emitiam uma  sensualidade sem fim e lhe convidavam a sair direto dali para um ambiente a dois. Ele caminha na sua direção, segura sua mão, sente o leve tremor e lhe diz: "vamos sentar ou prefere ir para um lugar mais reservado onde possamos conversar mais a vontade?"Aninha responde audaciosa: "prefiro sair daqui e ir a um lugar mais reservado."

Com o coração acelerado, Aninha vai com ele a um discreto hotel. Lá eles conversam por algum tempo, na tentativa de quebrar o nervosismo, quando finalmente ele toma a dianteira e faz algo que já vinha desejando lhe dá um beijo, daqueles de prender a respiração. Nesse momento, o tempo, os medos, os receios de Aninha se desmancham no ar, no beijo, no sabor daquele encontro furtivo. A língua dele entra na sua boca procurando a sua. As mãos dele procuram seus seios, seu corpo e ela não oferece qualquer resistência. Resistir para quê? Queria aquele homem com urgência.

As mãos de Aninha começam a procurar o corpo dele, até chegar ao membro turgido para senti-lo próximo a seu corpo. Ela perde qualquer insegurança ou inibição. Ele a despe demoradamente e ambos se entregam numa dança sensual e sem pudores. Ele a pega forte pelas fartas nádegas e vem de jeito. A moça emite um grito grutural de prazer. Ela se delicia com ele e suga seu jato numa noite ardente de paixão e ousadia. Não pensava nem como seria a próxima hora. Só queria saber das maravilhas do corpo e da boca daquele homem. E ele daquela mulher maravilhosa.

No final da noite, ambos extasiados, sem que precisasse dizer algo, Aninha se arruma e começa a ir. Ele pergunta porque ela estava indo. Ela diz com um sorriso no rosto que precisa ir, mas que esta aberta a novos encontros, afinal a noite tinha sido maravilhosa. Ele fica ali sem entender a mulher, achando que ela ficaria com ele até o amanhecer.

Na manhã seguinte, a moça pega o celular e entra no chat, afinal a noite tinha sido de descobertas...muitas descobertas...




Postar um comentário