domingo, 6 de dezembro de 2015

A Distância - Carla Pepe


A Distância 
By Carla Pepe

Ele admirava a distância. Era apenas uma admiração sensual, do corpo, da boca, do sexo sem nexo. Nem ele sabia o que via naquela mulher tão diferente. Ela era corpulenta: seios fartos, barriga saliente, coxas grossas, boca carnuda sempre pintada de rosa, seu corpo tinha a marca da vida em si. Tinha sempre opinião sobre tudo e não se calava. Mulher irritante! Mas também muito sensual. Eram tão diferentes que ele sabia que só poderia dela roubar o olhar. Não era amor, era apenas cobiça, lascívia total. Vontade de lhe submeter o desejo.

Ela tinha suas crenças e não se calava, se recusava a fica na sua. Já tinha ficado tempo demais quieta, assumindo papéis que não eram seus. Agora falava, opinava, matraqueava. Suas roupas, seu cabelo, seu batom, seu jeito. Várias pessoas vinham lhe abordando lhe dizendo que andava diferente. Ela sabia o que era: seu coração agora lhe pertencia. Era seu, somente seu, de mais ninguém. Portanto, não se importava com o braço gordo na blusa de alça, a boca carnuda com o batom rosa, as coxas grossas com celulite e a minissaia. Estava se sentindo sexy e gostosa em sua plenitude.

Naquele dia, ela reparou o olhar dele diferente no meio da acalorada discussão. Ela não sustentou o olhar, pois o que viu de relance era forte demais para ela pensar numa fração de segundos. O que faria? Eles eram dispares além da conta. E agora? Quando acabasse o que veio fazer iria embora e dificilmente se veriam novamente. Eram raras as ocasiões que se encontravam e nunca estavam sós.

No entanto, já era tarde quando tudo acabou. Ela estava só e precisava ir embora. Tentou de todo jeito disfarçar e sair em ser percebida. Quando sentiu, a voz por cima de seu ombro: "quer uma carona?" Era ele oferecendo-lhe uma forma de ir para casa ou parte do trajeto protegida (ou totalmente entregue ao inferno). Ela recusou gentilmente, no entanto, ele insistiu, reforçando que era tarde para ela voltar sozinha. Ele a deixaria no metrô, caso ela não quisesse a carona até sua casa. Ele já estava perdendo a paciência, podia ter ido embora mas resolvera ser educado e a mulher ficava agora dando uma de independente. Se fosse sozinha aquela hora algo poderia acontecer.

Ela acaba aceitando a carona. O clima no carro é tenso e sufocante. Nenhum dos dois diz qualquer palavra, nem sustenta o olhar. Nem as mãos se movem para qualquer lugar. A sensação é de que qualquer movimento conduziria a devassidão. Ela o orienta para deixa-la próximo de sua casa. Na hora da despedida, inevitavelmente ela vai na direção dele e seus corpos explodem de desejo e prazer. Ele a beija como se não houvesse amanhã. Ela corresponde sabendo que seria apenas aquela noite. E ali dentro do carro, eles se deixam levar pelo fogo que os consumia. Ela o suga até o fim deixando que ele derrame nela todo seu conteúdo. Ele a beija com sofreguidão em todas as dimensões do seu corpo. O carro vira único espaço de concordância daquelas mentes tão divergentes. E juntos chegam ao êxtase.

Ele a olha como se não houvesse explicação para o que acabara de acontecer entre eles. Ela nada fala apenas olha para ele com sinal de quem entende. Sai do carro, agradece a carona e caminha sorrindo, afinal a vida é feita de experiências...e que boas experiências.




Postar um comentário