domingo, 27 de setembro de 2015


Qualquer maneira de amar
By Carla Pepe

Esses dias ando emotiva, talvez seja TPM ou a vida que anda complexa, cheia de contradições. A verdade é que sou uma pessoa intensa com uma voltagem de 440v. Faço mil coisas ao mesmo tempo: levo filha e os sobrinhos para pegar doce de cosme e damião, brincar na piscina, almoçar no restaurante preferido, fazer bagunça na minha casa.  Cansou? Eu não! Ainda consigo ler artigos interessantes, ouvir boa música, ver um bom filme. Ah sim e, no caminho, chorar com a música animada, gargalhar com a matéria ridícula e ficar pensando na mensagem do filme bobinho.

Eu acredito que a vida é experiencia única e intransferível, por isso decidi vivê-la de forma intensa e apaixonada. Sim,  sou apaixonada por tudo a minha volta. Apaixonada por novos e velhos ideais, opiniões e indicações. Novas bandas, novos conceitos, novas letras, novos compositores. 

A vida também tem suas provocações. Enfrento cada uma delas, com um pouquinho de medo, pois sei que sou capaz de ultrapassa-las. E se não conseguir superar, terei bons aprendizados para o caminho a minha frente. Superar os obstáculos é preciso, mas ás vezes, é necessário reconhecer que puxar um ar antes fará toda diferença. 

Sou uma pessoa corajosa. Não daquelas que andam em montanha russa ou enfrentam filmes de terror. Minha coragem é a de amar e dizer que amo, de expor minhas vulnerabilidades sem temer os julgamentos ou os deboches. Não porque não me importe com a opinião alheia, mas porque os que verdadeiramente me amam me aceitam exatamente como eu sou. Descobri que sou amada e aceita bem mais do que eu realmente mereço, mas na intensidade com que me dedico aqueles que amo. Estou sempre preocupada com aqueles que amo, rezo por cada um todos os dias para que sejam amados e cuidados. Conheço o olhar, o riso, gesto, o tom de cada um.

Vivo minha vida sem me preocupar com a competição, com quem é ou está melhor. Meus parâmetros são os meus: quero hoje ser melhor do que fui ontem e se não conseguir tudo bem, há sempre novo amanhecer para tentar de novo. 

Sou mulher, mãe, amante, tia, amiga, camarada, profissional. Sou muitas em uma só.  Meu ser se expande a cada limite superado. Cada quilometro vivido me proporciona nova metamorfose. E assim me transformo de lagarta em borboleta repleta de cores e a procura das flores para pousar. 

Caminho reconhecendo minha força e minha fraqueza. Minha coragem e meus medos. Minhas contradições e coerências. Desejo apenas amar e ser amada. Aceitar e ser aceita. 

Esses dias ando emotiva...


Postar um comentário