sábado, 26 de setembro de 2015

Pequeno universo By Carla Pepe


Pequeno universo
By Carla Pepe


Já dizia o Poeta Luiz Maurício, "a beleza é mesmo tão fugaz, é uma ideia que existe na cabeça e não tem a menor pretensão de acontecer" (Apenas mais uma de Amor, Lulu Santos). Realmente a beleza, a estética, a que vê apenas o que está na superfície é mesmo perene, transeunte de uma vida corrida que só nos permite olhares breves. Hoje em dia preocupamo-nos em usar clichês, estereótipos como a melhor forma de entender as pessoas. Ana é santa, Maria é vadia, Joana é inteligente. E ainda tem a Paula, que mesmo gordinha, é bonita. É como se só fosse permitido sermos uma única coisa: ou se é gordo ou belo. Ou se é inteligente ou burro, santa ou vadia. Como se ser duas, três, quatro ou dez pessoas numa só não fosse permitido. 

Eu posso ser fora dos padrões estéticos - gorda, gordinha, fofinha - e  ser absurdamente linda. Posso também comer de forma saudável, fazer exercícios e, ainda assim, manter minhas formas arredondadas. Posso ser séria, falar de política, dramas sociais, literatura e ainda assim saber quem foi o último namorado da atriz famosa do último minuto. Posso falar as coisas mais sagradas e buscar experiencias com o profano que é o meu corpo. Podemos ser muitos e apenas um. Podemos amar a todos e, ainda assim, saber que o amor impõe limites, potencialidades, finitudes. 

O essencial é entender e construir seu próprio caminho, lembrando apenas que você não segue só. Seguimos sempre acompanhados por outras tantas pessoas cujos caminhos, mesmo que próprios, se entrelaçam aos nossos. Se entrelaçam mas se mantem singulares, únicos, assim como nós. Eu sou singular, única no mundo, não há outra igual a mim. E por isso, que consegui descobrir algo fantástico: o segredo da felicidade. Quer saber qual é? Chega bem perto que eu vou te contar sussurrando: o segredo está em apaixonar-se pela pessoa mais importante no seu pequeno universo: VOCÊ. 



Postar um comentário