segunda-feira, 28 de setembro de 2015


É preciso manter o foco - Parte 1 - As mãos 
By Carla Pepe


Ele a via todos os dias correndo no calçadão, fone nos ouvidos, bermuda, tênis, blusa. Ela chegava sempre distraída, ajeitava a blusa e apertava o play. Quase todos os dias quando ela chegava, ele já havia acabado os exercícios dele. Sua caminhada leve e os alongamentos lhe deixavam estenuado, desde a cirurgia no joelho. Por isso, ficava tomando uma água sentado na bancada olhando o mar. Ele também sabia que a esperava todos os dias. Não saberia explicar o que o atraía naquela mulher, o que era interessante nela é seu aparente desconhecimento do quanto era atraente. Mesmo suada, esbaforida, ele via os seios saindo do top, o bumbum grande e arredondado, o corpo volumoso. Afe Maria!

Ela vinha concentrada pensando na dieta, na academia, nas exigências e demandas do trabalho. Tinha vindo correr na força de vontade. Precisava manter o foco. Seu corpo era volumoso: morena, seios fartos, quadris largos e barriga. Correr diariamente, além de ajudar a manter a forma, lhe ajudava a clarear os pensamentos. Sentia-se livre e capaz de se desligar das pressões que sofria no dia-a-dia. Ligava sua playlist e lá ia pelo calçadão sem notar quem estava a sua volta.

Fazia um sol quente e lá vinha ela apressada, tinha se atrasado e a preguiça quase a pegara de vez. Vontade louca de ficar na cama até se cansar. Uma preguiça imensa lhe invadiu a alma naquele dia. Mas era preciso manter o foco. E lá estava tão absorvida com seus pensamentos que não o viu a frente. Esbarraram-se e caíram cada qual para um lado. Ela ficou desconcertada. Ele foi grosseiro. Diante da grosseria, ela esbaforiu e soltou um sonoro palavrão: "vai se foder. foi sem querer, não viu?"Ele, enfim, se deu conta de quem o tinha derrubado, mas era tarde. Seu joelho doía, ele não conseguia se levantar e tudo que conseguiu foi ser grosseiro. Ela viu a dificuldade dele em ficar em pé e o semblante de dor. Ofereceu ajuda, estendeu-lhe a mão. Quando enfim ele conseguiu se levantar, seus corpos ficaram tão próximos que era possível sentir-lhe a respiração. Ela pediu desculpas novamente e seguiu apressada. Ele ficou ali vendo aquela mulher-enigma-comum partir para mais uma corrida.

Ela voltou da corrida e o encontrou sentado ainda próximo ao mesmo lugar. De longe, o observava:  pele curtida de sol, corpo bonito sem ser  magro e forte. Seu rosto era normal, gostava de homens normais, desses que não se encontra nos comerciais. O que mais lhe encantava nos homens eram as mãos e as dele eram perfeitas. Ele tinha mãos de homem, mãos para pegar de jeito, puxar para perto, para beijar. Estava ficando cheia de calor pelos seus pensamentos.

Ela resolve se aproximar e perguntar se estava tudo bem com ele. Ele responde que sim e conta que tinha feito uma operação no joelho e fazia caminhadas leves e alongamento todos os dias como parte da rotina de exercícios recomendada. Ficam ali conversando um pouco. Ela se levanta e vai se despedir. Ele diz que esta ali todos os dias naquele mesmo horário. Apressada ela insiste que tem que ir embora. Ele pega sua mão, ela sente o calor subir por entre as pernas. Tira logo a mão e segue afoita sem olhar para trás. Ele fica ali observando ela ir embora desejoso que amanha ela aparecesse novamente para mais uma corrida e quem sabe...bom ele ia pensar nisso quando chegasse a hora.












Postar um comentário