domingo, 17 de janeiro de 2016

Anita - Carla Pepe


Anita 
By Carla Pepe 

Ela foi assim como quem não quer nada, se aproximando dele, numa dança sensual. De lado, ela foi lhe mostrando o quanto o queria. Ele foi ficando enlouquecido. Estavam ali no meio de uma festa e a morena se esfregando nele sem cerimônia. Ele suava frio, as mãos trêmulas, o membro ficando rígido já sem conseguir disfarçar. E agora? E a morena continua aquela dança, rebolando as cadeiras cheia de malemolência. A saia curta, a blusa decotada, as coxas grossas, tudo nela exalava luxúria. Mas a festa estava cheia e a música eletrônica rolada alta. 

O rapaz era osso duro de roer. Ela sentiu a atração de longe. Gostava das idéias dele, ouvira-o desenvolver suas teses um pouco antes da festa ficar barulhenta. Era isso mais lhe atraía num homem: sua mente. Nem precisava concordar com suas idéias, mas precisava ser inteligente. E hoje ela queria uma rapidinha. Algo causal, fortuito. Queria leva-lo para um canto e deixa-lo encaixa-la. Mas ele parecia nervoso. E agora? 

Deu o golpe final. Foi no ouvido do rapaz e sussurrou a promessa de que lhe sugaria com vontade. O rapaz foi a lua e resolveu não pensar mais em nada,  puxou a morena de jeito e deu-lhe um beijo desses que deixa qualquer mulher sem pensar e já foi colocando a mão procurando a calcinha. E qual foi a surpresa quando nada encontrou. A mulher estava sem calcinha. Afe!!!! Foram em busca do canto mais escondido da festa. Ele a colocou de costas, subiu levemente sua saia e encaixou-lhe o membro já protegido. E ficaram ali na cadência da música, sem se preocuparem com o que estava em volta. As mãos percorriam o corpo dela. A mulher era boa demais e o tinha em suas mãos e ele nem ligava. 

No final, quando eles chegaram ao êxtase ele quis lhe propor continuar o que tinham começado num espaço mais reservado. Ela pega sua bolsa, procura uma caneta, pega sua mão e escreve seu telefone. E diz: "hoje meu tempo era só para uma rapidinha. Tenho que ir. Mas me liga. A gente é bom junto. Meu nome é Anita." 

Ele fica ali estatelado, melecado, de boca aberta, mas sabia que voltaria a ligar para  Anita, morena, volumosa, sem calcinha, de boas rapidinhas, em festas de gente cabeça e música eletrônica. É, essa ele não esqueceria jamais. 





Postar um comentário