segunda-feira, 9 de maio de 2016

Uma rosa para minha mãe - Carla Pepe


Uma rosa para minha mãe
By Carla Pepe
‪#‎Carla440‬
Seu nome era Mavirose que quer dizer maravilhosa rosa. Ela era pequena e tinha o corpo roliço, sua pele era lisa e morena, olhos castanhos, cabelos pretos e encaracolados como os de um anjo. Tinha mais de 40 anos e ninguém dizia, porque seu cabelo quase não tinha fios brancos. Seus pés eram pequenos e gordinhos, como suas mãos. Sua barriga era o deleite dos bebês que ali adoravam aconchegar-se. 
Ela era amiga, sincera, falava o que tinha na cabeça, brigava pelo que acreditava. Nem sempre era honesta, um pouco bagunceira, consumista e muito, muito “rueira” (daquelas pessoas que vivem na rua como se nela habitassem todo tempo). Podia também ser encrenqueira, mentirosa, porém se alguém, quem quer que fosse, precisasse ela aparecia e ajudava. Ela cozinhava como ninguém, fazia doces, salgados, mil e uma comidinhas deliciosas: bife a milanesa, lasanha, brigadeiro, pavê. Uma das coisas que ela mais gostava de fazer era ficar deitada, vendo televisão, comendo pipoca, bebendo refrigerante e lendo romances Julia ou Sabrina.
Ás vezes, ou quase sempre, a gente brigava, discutia, debatia, divergia. Mas no final tudo dava certo porque a gente se amava. Desse amor que tudo supera, tudo suporta e tudo crê.
Sabe o que eu mais gostava nela? Sua risada. Era uma risada límpida, cristalina, sonora, alegre, contagiante. Ninguém que estivesse por perto conseguiria ficar sem rir ou mesmo sorrir. Aquela risada parecia conseguir dissipar qualquer sentimento negativo que aparecesse. Era sua arma secreta de super heroína. Até hoje consigo ouvir o som no meu ouvido, como se ela ainda estivesse aqui do meu lado. Quando ela partiu, acho que essa foi uma das coisas que mais me fizeram chorar. Saber que eu não ouviria nunca mais o som da sua risada. Mas, segundo as crianças lá de casa, com certeza ela está dando gargalhadas com Deus lá no céu, contando alguma piada bem suja, cheia de palavrão.
Hoje, véspera do dia das mães, quero descrevê-la para que alguns a conheçam como eu conheci. Mas o que eu realmente gostaria de fazer hoje, era poder lhe dar um beijo, ficar no seu colo, cheirar seu cabelo encaracolado e oferecer-lhe uma rosa, uma maravilhosa rosa


Postar um comentário